quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Adolescência - Resolvendo conflitos

Todos sabem das intensas e constantes mudanças que ocorrem na adolescência. É muito evidente a dificuldade que os jovens encontram para se adaptarem ao novo corpo, às novas exigências e novos pensamentos. Tudo parece ter mudado, e como lidar com eles neste momento tão importante de suas vidas?


Um ponto importante para esclarecer é a discrepância que ocorre entre o conceito que o adolescente tem de si mesmo e do que “gostaria de ser”. Na verdade esta questão é bem mais complexa do que parece, já que o modo como os jovens se veem depende de como eles “pensam” que os outros os veem, o que pode, sem dúvida, ser diferente do modo como são percebidos de fato.


Partindo deste princípio, podemos concluir que se um adolescente pensa que seus pais têm uma opinião negativa ou crítica a seu respeito, pode desenvolver insegurança ou baixa autoestima.


Então, o melhor a fazer para vivenciar esta fase da vida tão repleta de possibilidades, é procurar demonstrar claramente ao adolescente seus pontos de vista, sem, no entanto, rotulá-lo e cristalizá-lo em conceitos estáticos.


Para facilitar o diálogo com o adolescente diante das diferenças, é sempre interessante ter em mente os seguintes passos:



1. Experimente e elabore suas próprias atitudes e sentimentos a respeito da situação antes de abordar seu filho. Completar a sentença a seguir pode ajudá-lo a esclarecê-la na mente:


a) Sinto-me...(zangado, temeroso, etc.)


b) Quando ele...(descreva a situação)


c) Porque...(descreva por que você se sente assim)






2. Decida se a situação merece tanta preocupação.



3. Decida o estado de espírito com que você quer tratar o assunto. Por exemplo, quero tratar o assunto com...(firmeza, imposição, gentileza, etc.)


4. Aborde seu adolescente


a) Comece dizendo-lhe como você se sente, e por quê.


b) Evite exprimir o que sente como se fosse crítica ou ataque, pois isto o deixará defensivo e/ou agressivo.

5. Ouça a resposta e verifique se compreendeu:


a) Seus sentimentos sobre a situação, e


b) Os motivos destes sentimentos.


Diga: “Você se sente...porque...” e veja se o ponto de vista do adolescente ficou claro para você.


6. Elabore, se puder, um acordo/ conciliação prático. Pode ser difícil, às vezes impossível, mas é mais provável chegar a uma solução se você reconhecer os sentimentos do adolescente, explicar os seus e discutir as coisas com calma, tranquilidade e boa vontade.


Fonte: “Convivendo com adolescentes” – Martin Herbert

3 comentários:

  1. Isto mesmo, que bom que está dando andamento ao seu projeto. Muito legal o artigo, continue escrevendo para a energia fluir.
    Beijos
    Edmary

    ResponderExcluir
  2. OI Simone, obrigada por prestigiar meu blog e fico muito feliz que tenha gostado das minhas ideias. Acho que sei quem vc é... rsrsrs
    Com sua permissão, colocarei seu blog no meu para as pessoas conhecerem, tudo bem?
    Um grande bjo...
    fabiana

    ResponderExcluir